Opinião • Postado em 28-01-2019

Luta pra décadas

Onofre Ribeiro

/

É visível a degradação da estrutura e do conceito de Estado no Brasil. Não falo só do Estado nacional que representa a República. Falo também dos estados subnacionais, como Mato Grosso e mais 26. Todos em profunda crise econômico-financeira. Mesmo aqueles que estão aparentemente bem, estão a um passo da inviabilização administrativa e financeira.

A História é impiedosa. Tudo nasce, cresce e morre. Os fatos seguem essa  cronologia. O Brasil vem de uma história longa e destrutiva. Ao longo do tempo os primeiros exploradores viraram senhores de engenho e de minas de ouro e diamante. Criaram gado. Viraram grandes fazendeiros. Criaram indústrias. Criaram empresas de todas as naturezas. Plantaram café e criaram uma cultura ineficiente. Todas dependentes do Estado. Na base da sociedade uma parcela trabalha e paga impostos e na cúpula do poder dirigente do país se reúnem todos os poderosos e gastam os impostos em seu benefício.

A Constituição de 1988 piorou tudo isso. Criou dois elementos novos muito mais corrosivos do que a ganância dos antigos senhores da política e da economia. De um lado criou as corporações públicas, também conhecidas como poderes e as empresas estatais. O conjunto permitiu o surgimento de poderosas empreiteiras e corporações privadas. Na mesma esteira o serviço público também se transformou numa poderosa corporação. Colonizaram os cofres públicos!

O Estado brasileiro não suportou o peso dessas corporações políticas. Mas há um mal muito maior dentro desse conjunto malvado: os partidos políticos. Um tipo de corporações predadoras e cínicas. Sustentam e se sustentam numa enorme máquina de poder. Cara. Ineficiente. Cínica ao extremo.

Quando o governo de Mato Grosso enfrenta um ambiente enorme de crise financeira e administrativa, está na verdade, enfrentando esse conjunto histórico a que me referi no parágrafo anterior. Desmontar esse espírito corporativo nacional é tarefa pra décadas. São estados independentes dentro do Estado nacional.

Vejo e antevejo o governo Mauro Mendes e o próximo, talvez os próximos, afundados dentro da agonia de resgate do papel do Estado pra a sociedade não pras corporações.

Encerro. Sozinho o governo não conseguirá quebrar a espinha das corporações e trazê-las pra realidade que falha com o morador das periferias e oferecer-lhe o básico de saúde, educação, segurança e saneamento. A sociedade é o único parceiro possível pra ajudar a enfrentar as corporações. Elas são organizadas. Tem dinheiro, Tem poder e tem forte articulação. Sabem com eficiência fazer-se de vítimas. Ou fingir-se boazinhas e apelam pros bons sentimentos cívicos da população.

 Vejo a gestão Mauro Mendes afundada nessa luta inglória diante de uma sociedade morta e alienada!

Onofre Ribeiro é jornalista em mato Grosso - onofreribeiro@onofreribeiro.com.br   www.onofreribeiro.com.br

 

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!