Opinião • Postado em 11-05-2019

Gestação e a pensão alimentícia

Rita de Cássia Bueno

/ Arquivo pessoal

Neste domingo comemoramos o Dia das Mães e nessa data é importante falarmos sobre algo que muitas mães em formação desconhecem: Os Alimentos Gravídicos.

O referido direito tem como base fundamental a solidariedade familiar e o direito à vida, haja vista que a lei tem como objetivo garantir que o nascituro (feto ainda no ventre) possua a assistência necessária para que seja gerado de maneira saudável.

A Lei 11.804/2008 chamada Lei dos Alimentos Gravídicos trata-se de uma pensão a ser paga pelo futuro pai, em valores suficientes para cobrir as despesas adicionais do período de gravidez, bem como as que sejam decorrentes da gestação, tais como: parto, consultas, medicamentos, exames, internações, despesas com alimentação especial e até mesmo assistência psicológica e demais prescrições preventivas e terapêuticas que sejam indispensáveis desde que devidamente comprovadas, sendo que o juiz ainda poderá considerar outras despesas pertinentes às condições específicas de cada caso.

Os referidos alimentos serão fixados judicialmente e para tanto é necessário que haja comprovação de indícios da paternidade, com provas do relacionamento por meio de fotografias, filmagens, colheita de testemunha e outros.

O valor da prestação alimentícia deverá respeitar a proporção da necessidade da gestante, bem como a proporção dos recursos do pai. Nesse sentido é o que prevê o art. 6º da Lei dos Alimentos Gravídicos:

“Art. 6º  Convencido da existência de indícios da paternidade, o juiz fixará alimentos gravídicos que perdurarão até o nascimento da criança, sopesando as necessidades da parte autora e as possibilidades da parte ré.”

Destaca-se que após o nascimento da criança os alimentos gravídicos automaticamente serão convertidos em pensão alimentícia definitiva ao menor, até que seja solicitada sua revisão ou exoneração.

Esclarece-se que o conteúdo deste artigo é de caráter informativo e não substitui uma consulta prévia a um advogado devidamente registrado que seja de sua confiança.

Rita de Cassia Bueno do Nascimento. Inscrita na OAB/MT sob o número 23.763. Pós-Graduanda em Direito Civil e Processo Civil. Advogada Cível na Advocacia Daiany Machado. E-mail: ritabueno@advocaciadm.com

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!