Opinião • Postado em 25-01-2019

Em defesa de Mato Grosso

Valdir Barranco

/

Essa legislatura entrará para a história como uma das mais difíceis e mais cruéis para o parlamento estadual de Mato Grosso. 

Desde o recebimento das mensagens do governador Mauro Mendes enviadas em regime de urgência à Assembleia Legislativa, às vésperas do fim de uma legislatura caracterizada pela não reeleição de 14 deputados, passamos por intensas discussões. Um trabalho árduo que envolveu as assessorias dos deputados estaduais e representantes de diversos sindicatos vinculados ou não ao Fórum Sindical. 

Destaco como importantíssimos os pedidos de vista feitos por mim e pela deputada Janaína Riva ás mensagens 3, 5 e 7. Foram eles que propiciaram valorosas audiências públicas, reuniões com servidores e representantes do Fórum Sindical. 

Juntos, pudemos negociar com a base governista na Assembleia, com as autoridades do poder executivo e com o próprio governador a inclusão de emendas que garantiram, pelo menos minimamente, a manutenção de direitos dos servidores que haviam sido suprimidos nos textos originais. Nosso desejo era de que nenhuma mensagem fosse aprovada pelo parlamento permitindo-nos exercer em plenitude nossas atribuições. Mas, infelizmente, em parte, fomos vencidos pela Situação. 

Ainda que diante da enorme pressão do governo e de poderosos interesses, a ação parlamentar articulada em bloco com as representações dos sindicatos, a resistência organizada e o protesto legítimo dos servidores trouxeram avanços e travas às reduções de direitos. Entre eles as emendas que permitiram incluir para o cômputo da receita corrente líquida e, por conseguinte da RGA, recursos arrecadados pelos Fethabs comodities e combustível (uma emenda para cada fundo) e pelo FEX; e a emenda que manteve o direito à progressão nas carreiras. 

Quero dizer que mesmo com a inclusão destas emendas, fruto da nossa mediação junto ao deputado Eduardo Botelho, presidente da Assembleia Legislativa, e dele junto ao governador, votamos contra a mensagem número 5 que institui a Lei de Responsabilidade Fiscal Estadual. Para nosso grupo parlamentar, a mensagem representa forte ataque aos direitos dos trabalhadores tão arduamente conquistados nas lutas travadas por décadas e que estão garantidos no artigo 37 da Constituição Federal, e 147 da Constituição estadual. 

Votamos também contra a mensagem número 4, que trata das mudanças nas regras para o pagamento da RGA, e contra a mensagem número 3 que ataca frontalmente o direito dos segurados do MT Prev, o fundo de previdência dos servidores.

Por outro lado, fomos favoráveis a mensagem número 6 que instituiu o novo Fethab que deve ampliar a receita estadual a partir da taxação do agronegócio chamando a atenção para a possiblidade de destinação de 65% de suas receitas para pagamento da dívida pública e para a manutenção de outras injustiças tributárias não superadas. 

Também votamos a favor da mensagem número 7 que trata das mudanças da estrutura administrativa do Poder Executivo no exercício de suas atribuições próprias, sob a ótica de que a partir das nossas emendas houve alterações significativas no projeto original. 

Não posso deixar de dizer que a partir do trabalho dos deputados articulados conseguimos a reestruturação da Empaer (Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural) que será transformada em Instituto ao invés de ser extinta, e da Desenvolve MT, grande braço de apoio aos pequenos empreendedores deste estado.

Além disso, conseguimos que quatro empresas públicas tenham seis meses de fôlego para apresentem planos de reestruturação e viabilidade financeira para continuarem existindo, são elas: Ceasa (Central de Abastecimento do Estado de Mato Grosso), Metamat (Companhia Mato-grossense de Mineração), MTI (Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação) e Agem (Agência de Desenvolvimento Metropolitano da Região do Vale do Rio Cuiabá). 

Encerro dizendo que diante dos claros sinais do novo estilo de exercício do poder, da intensidade e do sentido das iniciativas apresentadas pelo novo governo nestes primeiros dias de sua gestão, precisaremos estar preparados porque ainda teremos muitas batalhas a vencer. A luta vindoura reclamará capacidade de formulação de estratégias firmes e focadas no bem comum, articulações políticas e ações coordenadas junto à organização popular da resistência. 

Seguiremos ombro a ombro.

*Valdir Barranco e deputado estadual e presidente do Partido dos Trabalhadores em Mato Grosso.

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!