Opinião • Postado em 22-07-2019

Conselhos de profissão e seu futuro incerto

Claudecir Contreira

/

Para definir a situação atual dos Conselhos de Classe Profissional, nada melhor que o bom espanhol “pero que si pero que no”, isso porque desde meados de 2016, o Tribunal de Contas da União - TCU vem fazendo um levantamento e estudos técnicos, visando os mais de 30 conselhos que fiscalizam o profissional liberal. De acordo com o levantamento feito pelo TCU, esses Conselhos juntos arrecadam quase 4 bilhões de reais, e essas cifras chamaram e tem chamado a atenção desse Tribunal.


Pois bem, no último dia 17 de julho, o TCU concluiu esse trabalho e o ministro Weder de Oliveira, relator do estudo, apresentou relatório final. O ministro, bem como seus pares, teceram duras críticas aos conselhos, que vão desde altos valores das anuidades e sua real aplicação e uso, ineficiência na fiscalização, destacando que apenas 9% da arrecadação realmente é utilizadas nas atividades fiscalizatórias, sendo que, a maior parte dos recursos acabam sendo destinados para alimentar o grande número de empregados e muitos deles são parentes ou amigos íntimos de conselheiros. Também tem ai à contratação de escritórios de advocacia de “amigos”, pagamentos abusivos de diárias e jetons a conselheiros e realização de festas. Verdadeiros abusos contra os profissionais inscritos, lembraram os ministros.


O ministro Aroldo Cedraz disse que o trabalho do TCU está incomodando muita gente mal acostumada às mazelas e mordomias que muitos desses conselhos proporcionam. Destacou que em sua maioria os conselhos não punem como deveria os maus profissionais que lesam a sociedade. O ministro defende que os conselhos devem usar seus recursos para investir na formação e capacitação dos profissionais para que a sociedade tenha um atendimento de qualidade técnica elevada. No entanto lembra, que a forma como essas escolas e universidades  que fornecem esses cursos estão nas mãos de dirigentes dessas classes profissionais  comprometendo a tão necessária qualidade técnica.  Já quem fiscaliza não deveria fornecer treinamento e capacitação. 


Atento ao relatório do TCU, o governo federal encaminhou uma PEC (proposta de emenda à constituição) ao senado que altera profundamente a forma de organização dos conselhos e coloca em xeque a legitimidade e a real necessidade de existência desses conselhos. A PEC, se aprovada como está desobriga a obrigação de inscrição dos profissionais, bem como, libera os já inscritos da obrigação de pagamento de anuidades. Esses dois itens definitivamente eliminarão mais de 80% dos conselhos regulamentados. Os conselhos que provavelmente se manterão sem essas alterações são aqueles que atendem as questões de ordem social, risco à vida, segurança e a ordem social e financeira. Destacam-se ai o CRM, a OAB e o sistema COFECI-CRECI, que deverão sofrer menos modificações.


Além de reduzir as amarras para o exercício de atividades profissionais, o objetivo do governo com o projeto é estabelecer que os conselhos são entidades privadas, e não autarquias. Muitos servidores têm recorrido à Justiça pedindo que esses órgãos sejam reconhecidos como entidades públicas, o que significa que esses funcionários teriam estabilidade e não poderiam ser demitidos.

O SISTEMA COFECI-CRECI


Pois bem, diante do que foi apontado acima, e visando em especial os Corretores de Imóveis, faço meus apontamentos quanto aos CRECIs (Conselhos Regionais de Corretores de Imóveis) e ao COFECI (Conselho Federal de Corretores de Imóveis).


Sou corretor de imóveis desde o ano 2003 e proprietário de imobiliária já à 10 anos. Em 2016, assumi como conselheiro regional no CRECI MT, onde ocupei as funções de diretor secretário, quem tem entre suas principais atribuições a responsabilidade de chefia a fiscalização. Também assumi a função de conselheiro federal no COFECI. Nesse tempo pude conhecer a real situação do meu conselho. Vi o quanto é difícil administrar uma entidade que demanda tantos serviços e que arrecada pouco. Pude conviver mais de perto com meus colegas de profissão e sentir junto com eles os efeitos das diversas crises politicas e econômicas que esse país atravessou nesse curto espaço de tempo. Convivi e ajudei no combate diário do tão cruel EXERCÍCIO ILEGAL DA PROFISSÃO. No conselho federal convivi com outros dirigentes de vários CRECIs e do COFECI, destacando nosso presidente João Teodoro.

Testemunhei a luta árdua desse líder nas incontáveis ações desenvolvidas para a valorização de nossos irmãos e irmãs corretores e corretoras de imóveis. Sou testemunha e partícipe de uma história de luta com o objetivo principal de proteger a sociedade de seres inescrupulosos que tentam roubar o sonho da casa própria de pessoas com pouco entendimento para a realização de negócios. 
Reconheço aqui que o relatório do TCU será de grande valia, porém, esse relatório, bem como, a PEC do governo federal perdem ou diminuem sua eficiência quando “medem por baixo” a todos os conselhos de profissão. É sabido que muitos conselhos são ineficientes, altamente corporativos, corruptos e inúteis à sociedade. Também é sabido que alguns conselhos são na sua essência, muito eficientes, atuantes e que às vezes aparece algum ou alguns dirigentes mal intencionados e que cometem atos de corrupção prejudicando sobre maneira outros dirigentes e associados que compõe esse conselho.

Mas devemos separar muito bem o que é bom daquilo que é daninho e prejudicial a sociedade. Essa tarefa cabe ao próprio TCU, ao governo federal, ao congresso nacional e por último caberá aos lideres bem intencionados dos diversos conselhos e em especial ao meu sistema COFECI-CRECI, que com bastante zelo e ética ajudo a administrar. Nossas ações devem  apresentar ao governo ideias mais arrojadas que vão de encontro com as ideias do liberalismo econômico, capacitação profissional e formação profissional mais eficaz. As atuais escolas de TTI, Sinceramente já passou da hora de extinção.

Vamos dar vez e voz a gestão imobiliária com alterações e adequações na grade curricular dos cursos. Conclamo também a cada um que esteja lendo esse artigo para que se lembre de que nós enquanto sociedade organizada precisamos de proteção legal, e os conselhos de profissão tem feito isso, claro que alguns fazem mais e outros fazem menos, porém, para acabar com qualquer que seja o conselho, o governo deve apresentar outra alternativa de proteção a sociedade. Fiquemos alertas.

Claudecir Contreira, empresário no ramo imobiliário e corretor de imóveis. Ocupa atualmente a vice-presidência do CRECI-MT, conselheiro federal no COFECI e integra a comissão legislativa do sistema COFECI-CRECI.

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!