Opinião • Postado em 01-07-2014

BLAIRO, AUSENTE DA COPA

Onofre Ribeiro

/

A política é uma atividade danada de ingrata, às vezes. Ela eleva e oscila com a mesma velocidade que o vento balança as folhas das árvores. A Copa do Mundo em Cuiabá foi um envolvimento e gestão pessoal do então governador Blairo Maggi, em 2009. Ele esteve na Suíça junto com o então presidente Lula e criou a tese da Copa do Pantanal, uma forma de conciliar o ecossistema com a economia estadual.

Blairo Maggi dizia que o mundo precisava conhecer a terra que produz grande parte dos alimentos que eles consomem. De outro lado, o Pantanal seria uma atração quase mística para os turistas. Criou a Agência Estadual de Execução dos Projetos da Copa, a Agecopa, como uma autarquia responsável pela implantação das obras necessárias e também aquelas a que se chamou de matriz de responsabilidade.

Em outubro de 2011, já no governo Silval Barbosa,  a Agecopa foi substituída pela Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo – Secopa, com as mesmas finalidades, mas sujeita a toda a sorte de entraves que estão sujeitos os órgãos da administração pública direta.

 Finalmente, depois de toda a novela amplamente conhecida da população de Cuiabá e de Várzea Grande, as principais obras devolveram o trânsito à relativa normalidade e, principalmente Cuiabá, teve grandes ganhos que se refletirão no seu futuro. A cidade que vinha muito congestionada ganha um grande fôlego para o futuro.

Dito isso, finalmente a Copa do Mundo chegou a Cuiabá debaixo de enormes expectativas quando aos desgastes em relação a obras urbanas inacabadas, ao aeroporto inacabado, o VLT em obras, etc.

Prevaleceu o espírito festeiro e hospitaleiro de Cuiabá. Os jogos não causaram constrangimentos e nem os turistas reclamaram de viadutos inacabados e nem do aeroporto funcionando parcialmente. Foram quatro jogos com público e festas acima do esperado.

Nesse ambiente, não se viu a figura do ex-governador Blairo Maggi, exceto, discretamente, no último jogo. Atingido pelos estilhaços da Operação Ararath, Blairo recolheu-se em silêncio e a política se encarregou de ignorá-lo Para um político este talvez seja o mais cruel de todos os algozes: a invisibilidade.

Acompanhei de perto alguns ex-governadores vítimas desse abandono temporário ou permanente: os ex-governadores José Garcia Neto, Júlio Campos, Carlos Bezerra e Dante de Oliveira. O primeiro e o último, convivi de perto com o seu exílio de corpo presente. Imagino que Blairo Maggi mereça, com todo o direito, o reconhecimento do seu esforço pela Copa do Mundo em Cuiabá. As questões políticas são outro departamento.  Mas como disse no início, a política é ingrata mesmo! A História é quem costuma fazer justiça ainda que às vezes tardia!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso

onofreribeiro@terra.com.br  www.onofreribeiro.com.br

 

 

 

 

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!