Opinião • Postado em 08-11-2018

Armadilhas do ego

Cynthia Lemos

/

Hoje, minha reflexão com você é sobre as armadilhas do ego que invadem a empresa.

De recepcionista a gerente do instituto de beleza, Sarah parece que não havia percebido que o crachá de gerente foi dado a ela pelo mérito do que já vinha fazendo no seu dia a dia, e não pelo que através da sua aparência, ela tinha que provar.

Sarah não tinha essa sabedoria, e em prol, segundo sua visão, de ser respeitada e aprovada como tal, ela compra um carro melhor do que o da dona da empresa, parcelado em 72 vezes, comprometendo cerca de 70% por cento do seu novo aumento por seis anos com aquela aquisição.

Elaine, a proprietária, ao ver a sua nova gerente com um carro novo, fica feliz pela conquista, mas após alguns minutos é invadida e desestruturada quando se dá conta que o carro de sua funcionaria é de maior valor e representatividade que o seu, e isso ela não podia permitir.

“O que a sociedade vai dizer? Minha gerente. Ex-recepcionista do meu salão, com um carro melhor que o meu. Daqui a pouco estarão confundindo ela como a proprietária!”

Movida pela mente coletiva, verdades vendidas pela sociedade, Elaine, a empresária, lança mão do caixa da empresa e troca seu carro antigo por um carro incrível, e assim como sua funcionária, que compromete o salário dos próximos meses que ainda não ganhou, Elaine sacrifica, através dos juros do parcelamento, grande parte da previsão de faturamento da empresa dos meses que ainda estão por vir.

Sarah, após a conquista do sonhado cargo, salário, carro, renovação do guarda roupa e outros bens adquiridos, passa então a se dar conta que precisa garantir a segurança de seu emprego e salário porque fez muitos compromissos. O foco do seu trabalho, que antes estava em empreender no negócio, trabalhar para os clientes e empresa, se arriscar para crescimento, neste novo cenário passa a ser trabalhar para garantir seu emprego e não contrariar sua chefe. Sarah estava a serviço e refém de seus parcelamentos e dividas.

Enquanto Sarah, ex-recepcionista, vive a experiência de estacionar em sua carreira, Elaine, a proprietária, sofre duplamente quando também inverte a ordem e foco do seu negócio. Elaine passa a confundir faturamento com lucro e se coloca acima da empresa. Ela coloca a empresa a serviço de priorizar os desejos dela.

Ninguém está falando aqui que você não poderá ter o que você quiser. Você pode ter o que quiser, mas não sacrifique a sua empresa. Quem aqui já ouviu a história do fazendeiro ansioso que mata a galinha que botava um ovo de ouro por semana, achando que conseguiria antecipar seu estado de riqueza?

Assim quero dizer a você empresário: cuide da sua empresa e esteja para servi-lá. Coloque-a sempre acima de você e suas necessidades, e tenha tudo que quiser.

Tenha a paciência de acumular os ovos da galinha, e não a ansiedade de matá-la em prol das suas necessidades egoístas. Paciência.

Ter segurança de quem você é, é fruto de muito autoconhecimento, porque a sociedade te cobra, só que você tem que ser mais sábio que ela.

Expanda sua consciência e gere ações transformadoras!

Cynthia Lemos é psicóloga empresarial e coach na Grandy Desenvolvimento Humano e especialista no Desenvolvimento de Líderes e Empresas Email: cynthia@grandy.com.br@GrandyDH

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!