Opinião • Postado em 01-02-2019

Alíquota de 10% sobre o FGTS nas demissões sem justa causa, a título de “contribuição social”

Otacilio Peron

/

A Lei Complementar Federal nº 110/2001, instituiu a denominada “contribuição social” devida pelos empregadores em caso de despedida de empregado sem justa causa, em uma alíquota correspondente a 10% (dez por cento) sobre o montante de todos os depósitos devidos, referentes ao FGTS, durante a vigência do contrato de trabalho, recolhido ao Governo Federal, independente da multa de 40% devido ao empregado, sobre a mesma base de cálculo.

Referida contribuição social foi introduzida pela lei suso, com vistas a recompor os expurgos inflacionários do saldo das contas vinculadas do FGTS, referentes aos planos econômicos Verão e Color I.

No entanto em 2012, a Caixa Econômica Federal reconheceu através da emissão de um ofício (ofício 38) e informou que o saldo do Fundo já estava superavitário. Isto significa dizer que o objetivo já havia sido cumprido, e, portanto a obrigação já deveria ser extinta naquela data, pois era uma contribuição temporária.

O Congresso Nacional inclusive aprovou sua extinção em julho de 2013 via Projeto de Lei, porém foi vetado pelo Governo de então.

O Governo Federal em 2017 enviou a Câmara dos Deputados um Projeto de Lei Complementar (PLP 340/17) reduzindo a alíquota da contribuição para 9% (nove por cento) em 2018, com redução de um ponto percentual a cada ano, até a sua extinção em 2027 – Esta aguardando a sua aprovação.

É importante deixar claro que o percentual pago aos trabalhadores (40%) não sofrerá qualquer diminuição.

Enquanto isto os Tribunais Pátrios têm constituído inúmeros precedentes favoráveis aos contribuintes (empresários).

A tese já chegou no STF, e tem como argumento (que entendo ser forte), a inconstitucionalidade do prosseguimento da cobrança, pois, como dito, a finalidade para a qual fora instituída já foi sanada.

E o que torna mais imoral ainda é a determinação do Governo de que os recursos arrecadados a título da “contribuição social” em questão, passem a ser depositados em favor do Tesouro Nacional, configurando assim um desvio de finalidade.

O tema, por ser de repercussão geral, abrangerá todas as situações pendentes, e é grande a probabilidade de julgamento favorável aos contribuintes, pelo STF.

Deste modo, as empresas que não quiserem aguardar a decisão do STF, poderão ajuizar ações questionando a cobrança da referida contribuição desde já, e reclamando a restituição dos valores já pagos nos últimos 5 (cinco) anos, bem como que se abstenha de cobra-la doravante.

As empresas mais conservadoras podem discutir, depositando em juízo, ou ingressarem com ações declaratórias e continuarem pagando, e se forem vencedoras irão recuperar os valores pagos.

O argumento se torna ainda mais forte, no caso das micro e pequenas empresas, pois os encargos federais dessas empresas, são os que estão previstos no SIMPLES – Há decisões neste sentido.

É chegado o momento das empresas se sublevarem contra uma cobrança ilegal e imoral de União.

O momento é agora.

Otacilio Peron  -  Advogado CDL Cuiabá

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!