Opinião • Postado em 26-06-2014

AGRIBUSNESS - ALGODÃO

Ovidio Girardello

/

Diante dos preços baixos pagos ao milho na safra passada o produtor optou, na atual safra, pelo cultivo de algodão, já que este ofereceu melhor remuneração naquela safra. Grande parte dos produtores mato-grossenses comercializaram, parcialmente, a safra futura do algodão com preços razoáveis protegendo-se, assim, das oscilações de mercado que nem sempre são propícias.  Por outro lado, os produtores americanos também aumentaram seu cultivo de algodão diante de cotações favoráveis, à época, na bolsa de Nova Iorque.

Entretanto, com o aumento do cultivo americano em mais de 16% e a expansão das lavouras brasileiras o mercado caiu a níveis que já não remuneram o investimento.  O Brasil deve colher na presente safra algo próximo a 1,6 milhão de toneladas de plumas o que representa 28% acima do produzido na safra anterior. Embora a qualidade  do produto brasileiro, que é melhor que o produzido no Texas, o maior Estado  produtor americano, os preços de mercado hoje não cobrem os custos de produção.

As cotações do algodão, em 19/06, chegaram a US$ 91,10 cents a libra peso, o que corresponde a R$ 67,54 a arroba,  para o produto FOB porto. Em 25/06 a bolsa de Nova Iorque operou em  US$ 75,19 cents a libra peso, cotação que oferece remuneração de não mais que R$ 50,22 a arroba, portanto, com um prejuízo de quase R$ 17,00 a arroba para o produtor mato-grossense se considerarmos que o custo médio  de produção no Estado fica próximo aos R$ 67,00 a arroba.

O Estado de Mato Grosso  semeou algo próximo a 450 mil hectares na presente safrinha que somados  a safra das águas chega-se a mais de 600 mil  hectares, com produção estimada em mais de 900 mil toneladas de pluma, segundo dados da AMPA/IMEA.

Grande parte dos produtores mato-grossenses  já transformaram seu negócio agrícola com visão empresarial. Esta atitude é fundamental para que o agricultor tenha êxito e consiga fazer de sua empresa agrícola um bom negócio. O agronegócio já não tem espaço para amadores. O produtor planta e colhe uma vez ao ano, mas deve estar atento á comercialização durante os doze meses, se pretende ter sucesso, como é o caso do produtor Herlon Meike de Campo Verde que negociou algo próximo a 70% de sua previsão de colheita, antecipadamente. No Mato Grosso foram comercializadas antecipadamente mais de 500 mil toneladas, o que corresponde a 55% da produção de plumas.

Com os preços internacionais deprimidos o cotonicultor brasileiro se mantém na defensiva, só comercializando o necessário para cumprir compromissos urgentes. Sabe-se que muitas traders aproveitaram os bons momentos de preços na bolsa  de Nova Iorque e realizaram vendas sem estarem cobertos por compras no mercado físico brasileiro e, hoje, estão correndo na busca de cobrir posições.  Desta forma, podem oferecer preços que estão acima dos valores que podem ser pagos diante das cotações atuais. Até o dia 24/06 compradores mantinham US$ 1.9107 a libra/peso, o que corresponde a R$ 63,19 a arroba. 

Nesta semana o mercado físico pagou R$ 59,00 a arroba em Sapezal e Campo Verde e R$ 58,00 Em Sorriso. Se considerarmos o valor do frete de R$ 360,00 a tonelada para o porto, ou R$ 5,40 a arroba, temos uma remuneração de R$ 64,40,  valor que está muito acima das cotações de Nova Iorque.

Fica o alerta, mais uma vez, o produtor deve vender quando o mercado oferece remuneração que lhe permita a atividade e não apenas quando está com o produto no armazém.

 

Ovidio Girardello

Advogado-filósofo. Pós-graduado em comércio exterior

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!