POLÍTICA • Postado em 07-06-2019

Senadores querem acordo com MEC para liberar R$ 248 bilhões extras ao Governo

Da redação

/ Divulgação assessoria

O Governo Federal precisa de mais de R$ 200 bilhões extras, neste ano, apenas para honrar o pagamento de benefícios previdenciários urbanos. O projeto que pede aos parlamentares autorização para realizar operação de crédito suplementar para pagar essa e outras despesas correntes, no valor total de R$ 248,9 bilhões, deve ser votado na terça-feira, 11. Senadores, porém, querem firmar um acordo para primeiro liberar, integralmente, o Orçamento do Ministério da Educação, que se encontra contingenciado.

“É o momento de o Congresso se posicionar, e assim o faremos na próxima terça-feira, exigindo que os recursos da Educação não sejam contingenciados. Não pode ficar essa apreensão que está acontecendo hoje na educação profissionalizante e na educação universitária, impedida de fazer um planejamento ideal” – disse o senador Wellington Fagundes (PL-MT), que integra a Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional (CMO) e que vem liderando esse debate.

A Constituição proíbe a realização de operações de crédito (emissão de títulos públicos) para pagamento de despesas correntes, como salários e benefícios sociais. A chamada ‘regra de ouro’ só pode ser contornada por meio de créditos suplementares ou especiais, com finalidade específica, e aprovados pelo Congresso por maioria absoluta — pelo menos 257 deputados e 41 senadores. Sem essa autorização, o presidente da República pode cometer crime de responsabilidade.

O objetivo do PLN 4/2019 é obter essa autorização — sem ela, já neste mês, faltará dinheiro para cobrir as despesas obrigatórias listadas no projeto de crédito suplementar, sustenta o governo. A maior parte (R$ 201,7 bilhões) corresponde a benefícios previdenciários, como pensões e aposentadorias. O texto trata ainda de Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada (BPC) e Plano Safra, entre outros itens.

Junto aos senadores Paulo Paim (PT-RS) e Izalci Lucas (PSDB-DF), Fagundes reafirmou que a aprovação do PLN 4/2019 vai depender do entendimento. Ele criticou o Governo pelo ‘desarranjo’ orçamentário, ao lembrar que, no ano passado a CMO aguardou por 60 dias, em vão, o encaminhamento de eventuais mudanças propostas pela equipe do presidente Jair Bolsonaro.

Wellington acredita que o PLN deve ser, de fato, aprovado na sessão do Congresso Nacional marcada para terça, mas cobrou do Governo “sensibilidade, principalmente na área social”. Ele destacou, entre outros, o alegado risco anunciado pelo Governo de não poder pagar o Benefício da Prestação Continuada, o BPC. “Tire de onde tirar, mas os nossos idosos, as crianças que nascem com uma deficiência física, cuja família seja carente, têm que ter atenção, sim, do Estado. E isso aí eu não posso aceitar –  disse. Não pode um País tão rico como o nosso estar aqui dizendo que não vai cuidar dos nossos idosos”, protestou o republicano.

O PLN 4 será o sexto item da pauta de votações da sessão do Congresso Nacional marcada para a terça-feira (11), a partir das 14h. Antes de votar o crédito, os parlamentares terão que concluir a votação de cinco vetos presidenciais.

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!