POLÍTICA • Postado em 08-11-2018

Senadores de MT votam a favor de aumento salarial de ministros do STF

Aline Brito

Da redação

/ Reprodução

Os três senadores por Mato Grosso Cidinho Santos (PR), José Medeiros (Pode) e Wellington Fagundes (PR) foram favoráveis ao aumento de salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A votação que aconteceu na noite desta quarta-feira (07), no Senado, recebeu 41 votos a favor e 16 contras.

Com a aprovação do aumento os salários dos ministros passam de R$ 33,7 mil para R$ 39,3 mil, um reajuste de 16,38%.

Agora, o texto segue para sanção do presidente da República, Michel Temer (MDB).

Por meio de rede social, o senador Medeiros disse que conceder o aumento é uma boa opção para não haver o pagamento de auxílio-moradia aos servidores do Poder Judiciário.

“Presidente, achei uma boa troca. Acabou o auxílio-moradia. Veja que o aumento, mais dia menos dia, haveria que ser concedido. Seria cumulativo com auxílio”, opinou o parlamentar.

No entanto, o auxílio-moradia aos membros do Poder Judiciário ainda não foi suspenso. Desde setembro de 2014, todos os juízes federais passaram a receber o benefício por meio de uma liminar do atual vice-presidente do Supremo, Luiz Fux.

Com a liminar, o auxílio foi estendido aos magistrados estaduais, procuradores da República e promotores de Justiça.

Após a aprovação do aumento de salário no Senado, o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Tóffoli, disse que deve colocar a pauta do auxílio-moradia em julgamento na Corte Suprema.

“Em nome do STF, em nome de todo o Poder Judiciário, eu gostaria de agradecer ao Congresso Nacional a aprovação desse projeto, principalmente porque agora poderemos enfrentar o problema do auxílio-moradia. Principalmente porque, com a aprovação do novo subsídio, nós poderemos então resolver essa questão do auxilio”, disse Tóffoli à imprensa.

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!