POLÍTICA • Postado em 28-01-2019

Medeiros quer PF e PGR investigando possível venda de mandato de Jean Wyllys

Assessoria

/ Pedro França/Agência Senado

O senador José Medeiros (Pode/MT), que em poucos dias assumirá o posto de deputado federal, acionou oficialmente, nesta sexta-feira (25), o Ministério Público Federal – MPF, na pessoa da Procuradora Geral da República – PGR, Raquel Dodge, e a Polícia Federal, para ressaltar a necessidade de maior apuração sobre todos os fatos que levaram a renúncia do deputado federal, Jean Wyllys (Psol), anunciada nesta semana. Medeiros levanta a possibilidade até de venda de mandato.

No documento, Medeiros requere a informação se, de fato, houve ameaças de morte confirmadas a Jean, além de questionamento sobre os pseudoameaçadores e se já existe alguma linha de investigação sobre a origem destas mensagens. O senador ainda quer saber se há registros de ocorrências em órgãos de segurança pública nacional e estadual, realizados pelo deputado carioca, e que resultaram em algum início de trabalho de inteligência. O parlamentar ainda busca o detalhamento da relação pessoal de Jean e seu suplente, David Miranda (PSOL), que assumirá o cargo eletivo.

O parlamentar do Podemos considera que, dentre outros indícios, a visível intenção da esquerda brasileira de usar e até maximizar a saída de Jean para criar um cenário de perseguição aos seus membros para evidenciar uma realidade inverídica sobre o Brasil, somando-se a informações que necessitam de maior atenção sobre o suplente de Jean. Por fim, Medeiros questiona MPF e PF se há alguma apuração para confirmar se o incidente não se trataria de uma possível de venda de mandato.

 “Imagino que o próprio deputado (Jean) tenha interesse que tudo fique esclarecido. Para isso solicitei nos ofícios que seja feito uma apuração para sabermos se houve algum tipo de transferência de recursos financeiros da parte de David ou de Glen Greenwald, com quem é casado, ou mesmo de qualquer pessoa ligada a eles em benefício do senhor Jean Wyllys. Diante da maneira que este assunto vem sendo abordado, creio que não seria impertinente estes cuidados”, finalizou.

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!