POLÍTICA • Postado em 05-02-2019

Medeiros quer CPI para investigar demarcação da Marãiwatsédé

Assessoria

/ Assessoria

A Câmara Federal pode ser palco de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o processo de demarcação da reserva indígena Marãiwatsédé/ Suiá Missú, efetivada entre 2012 e 2013, em Mato Grosso. A investigação foi proposta pelo deputado federal, José Medeiros (Pode), que argumentou, nesta segunda-feira (4), a necessidade de contraprovas e análises periciais dos laudos antropológicos que embasaram a retirada dos 165 mil hectares da posse de pequenos produtores rurais para transformar em terra indígena.

Medeiros acredita que não terá dificuldade de alcançar as 171 assinaturas necessárias para instaurar a CPI na Câmara. O deputado argumenta que a polêmica demarcação na divisa das bacias do Araguaia e Xingú, localizadas no nordeste mato-grossense, foi tratada de maneira ideológica por muitos representantes públicos ignorando os pareceres técnicos e jurídicos. Além disso, não foi levado em consideração o histórico das famílias que por décadas viviam e produziam na região.

"Infelizmente a pauta indígena foi pano de fundo para muita gente alimentar seu fanatismo ideológico durante os governos do PT. Órgãos como a Funai e o Ibama foram utilizados para isso. O que estamos defendendo é a reabertura do processo para que o Brasil tenha a certeza que todos os  trâmites técnicos e jurídicos foram realmente respeitados ou se houve algum tipo de direcionamento. Queremos conhecer a robustez das informações colhidas, confirmar se foram verificadas e dar uma resposta a tantas famílias de pequenos produtores que viram seus entes se suicidarem em função da criação da reserva”,  disse o parlamentar. Ele lembra ainda, que cerca de 30 pessoas morreram em função do conflito criado pelos órgãos públicos.

O deputado ressalta que não quer ser artífice de um “novo round” entre indígenas e produtores rurais, mas que considera uma irresponsabilidade, diante de tudo que se descobriu até agora dos governos anteriores, não revisar as deliberações como a Suiá-Missú para que o Brasil se livre de eventuais manchas históricas deixadas nos últimos anos. “Precisamos saber tudo que envolveu essa demarcação, inclusive se haviam interesses internacionais e a provável interferência de ong’s nacionais e internacionais. Sabemos muito bem que muitas organizações se escondem em causas sociais para servir a interesses econômicos ocultos. O que queremos é a verdade”, conclui Medeiros.

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!