ECONOMIA • Postado em 31-01-2018

Total de pessoas sem trabalho é o maior em cinco anos, diz IBGE

O Globo

/ Antonio Scorza/ Agência O Globo

A taxa de desemprego do ano de 2017 ficou em 12,7% e foi recorde da série histórica da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio Mensal (Pnad), iniciada pelo IBGE em 2012. Isso quer dizer que, em média, o desemprego atingiu 13,23 milhões de pessoas da força do trabalho no ano passado. Esse também é o maior contingente de pessoas sem trabalho dos últimos cinco anos.

Em 2016, o desemprego médio do ano já havia passado para 11,5% da força de trabalho, ante os 8,5% registrados em 2015. Para 2018, analistas estimam que a taxa média do ano deva ficar na casa dos 12%, ou seja, ainda em dois dígitos. A Pnad considera tanto empregos com carteira assinada quanto os sem carteira.

Ao longo do ano de 2017, a taxa de desemprego atingiu 13,7% no período entre janeiro e março, o recorde para um trimestre de toda a série histórica. Depois disso, no entanto, vem recuando.

No quarto trimestre, a taxa ficou em 11,8% e atingiu 12,3 milhões de trabalhadores. O resultado indica um desempenho melhor que no quarto trimestre de 2016, quando a taxa tinha sido de 12%. Para o quarto trimestre de 2017, a mediana de expectativas dos analistas ouvidos pela Bloomberg apontavam um desemprego de 11,9%.

Ao atingir uma média de 13,23 milhões de pessoas no ano passado, o número de desempregados cresceu em 1,47 milhão de pessoas em relação a 2016. A média da população ocupada, no entanto, cresceu nessa mesma comparação, de 90,38 milhões de pessoas em 2016 para 90,64 milhões no ano passado.

O número de empregados no setor privado caiu em 953 mil pessoas entre esses dois anos. Esse grupo era formado por 34,3 milhão de trabalhadores em 2016 e caiu para 33,34 milhões em 2017. Já os empregados informais saltaram de 10,15 milhões para 10,7 milhões nessa mesma comparação.

Ainda em relação ao ano anterior, em 2017 o número de pessoas empregadas como domésticos ficou estável, em 6,17 milhões. Já os epregadores passaram de 3,9 milhões para 4,24 milhões. Os conta própria também ficaram estáveis: eram 22,5 milhões em 2016 e 22,68 milhões em 2017.

O rendimento médio de todos os trabalhos saltou de R$ 2.091 para R$ 2.141.

Na semana passada, o Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), mostrou que o emprego formal segue em baixa no país. No ano passado, o saldo ficou negativo em 20 mil postos de trabalho. Ou seja, essa foi a diferença entre o número de contratações e demissões, que se sobrepuseram.
 

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!