ECONOMIA • Postado em 07-02-2019

Fecomércio-MT divulga pesquisa sobre endividamento familiar de janeiro

Assessoria

/

A Fecomércio-MT com base na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), divulgada em 05/02/2019 pela Confederação Nacional do Comércio, bens, Serviços e Turismo (CNC), alerta para o caso específico de Mato Grosso, onde houve uma queda no Total de Famílias Endividadas, que em janeiro/2019 que foi de 112.638, ou seja menor que dezembro/2018 que foi de 116.007, mas ainda superior a janeiro/2018 que foi de 109.645.

 Ainda mais preocupante é o item de famílias que não terão condições de pagar suas dívidas, onde a pesquisa demonstrou um crescimento, que em janeiro/2019 é de 38.583 famílias, superior a dezembro/2018 que é foi de 37.948, e bem superior a janeiro/2018 que era de 26.184.

Segundo o consultor Econômico-Tributário da Fecomércio-MT,  Múcio Ribas, a pesquisa revela uma recuperação gradual na expectativa de consumo das famílias, resultado da recuperação da economia, mas de forma lenta. Também no caso mato-grossense, o parcelamento de salário dos servidores públicos do Estado é um fato que impacta na renda das famílias ocasionando o atraso da quitação de dívidas e freio no consumo de bens duráveis.

 

No Brasil

O percentual de famílias brasileiras que apresentam algum tipo de dívida registrou 60,1% em janeiro de 2019, segundo os dados da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Esse valor representa uma queda em relação aos 61,3% apurados no mesmo mês do ano passado.

O total de inadimplentes – os que possuem dívidas ou contas em atraso – também caiu em relação a janeiro de 2018, registrando 22,9% neste mês em comparação aos 25,0% do período anterior. Da mesma forma, também diminuiu o volume de famílias que declararam não ter condições de pagar suas contas, passando de 9,5% em janeiro de 2018 para 9,1% neste mês.

“A queda na comparação anual indica que persistem o ritmo lento de recuperação do consumo e a cautela das famílias na contratação de novos empréstimos e financiamentos”, afirmou a economista da CNC Marianne Hanson.

 

Alta mensal não compromete retomada da economia

Apesar das quedas nas comparações anuais, houve um leve aumento do endividamento em relação a dezembro de 2018, quando o percentual esteve em 59,8%, e do total de inadimplentes, que estava em 22,8%, em dezembro. O desempenho mensal, no entanto, não compromete a expectativa de evolução da economia. “As taxas de juros em patamares mais baixos também constituem um fator favorável a esse resultado. As famílias brasileiras também se mostraram mais otimistas em relação à sua capacidade de pagamento, e o percentual de famílias que disseram não ter condições de pagar suas contas em atraso também recuou”, complementou Marianne Hanson.

O cartão de crédito continua sendo a principal fonte de dívidas dos brasileiros (78,4%), tendo apresentado alta entre as famílias com renda inferior a dez salários mínimos (79,1%). Carnês (14,0%) e financiamento de carro (9,7%) vem logo em seguida.

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!