CIDADES • Postado em 15-04-2019

Ideias inovadoras para alcançar novos resultados, os desafios da indústria 4.0

Assessoria

/ Divulgação assessoria

Inovação e mudanças no mercado tecnológico têm se tornado, cada dia, mais comuns. Diariamente surgem inúmeras tecnologias que modificam a maneira de comprar, se locomover, comunicar, vender, conhecer lugares, dentre outras oportunidades de transformações no cotidiano das pessoas. Termos como a chamada “Magic Phills ou Comida do Futuro, Startups, Flying Cars ou Carros Voadores Tripulados, Instant Messengers ou Telecomunicadores, Indústria 4.0”, estão se tornando cada vez mais habituais e populares.

Com mais de 12 anos de experiência em inovação, a diretora de P&D da Fidelity Mobile (empresa cuiabana mundialmente conhecida pela inovação tecnológica) e pesquisadora da Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat) Kassia Masson, acredita que inovar vai além de apresentar algo novo, é preciso gerar bons resultados.

“Novidade mais resultado. Inovar é transformar ideias novas em resultado. Se for novo, mas não gerar resultado, não é inovação. É invenção. Se gerar resultado, mas não houver novidade, é melhoria ou adequação de produto, serviço e processo”, explica.

Masson acredita que ideias inovadoras deixaram de ser possibilidades e tornaram-se necessidades atuais. Esses desafios estão para os setores privado quanto para o público. Ela, no entanto, acredita que os governantes devem enfrentar grandes barreiras para desenvolver e inovar, a principal delas será a cultura nacional.

“A final de contas não estamos “na gravidade do vale do silício”, somadas ao não cumprimento da Lei da Inovação - Lei nº 13.243 - (Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação), que visa criar um ambiente mais favorável à pesquisa, desenvolvimento e inovação nas universidades, nos governos e nas empresas brasileiras”.

A diretora de P&D da Fidelity Mobile ainda enfatiza que para enfrentar este desafio é preciso superar a ideia de que a capacidade de inovar é aleatória, uma vez que a inovação deixou de ser uma possibilidade para ser uma necessidade da sociedade pós-moderna.

“O ato de inovar é fruto de um processo que pode resultar em maior impacto por exemplo sobre os resultados finais do serviço público, ampliando os canais de diálogo, melhorando a experiência do cidadão na utilização dos serviços, aumentando o embasamento para a tomada de decisão de gestores públicos em problemas complexos e sociais, aumentando a eficiência reduzindo custos, promovendo maior participação democrática e transparência nas ações do setor público com o mercado e com o cidadão”, pontuou.

Para Kassia Masson, esta década será marcada pela convergência de broadcast, internet e televisão. “A residência, ou casa conectada, é o principal campo de disputa. Televisão e internet oferecendo oportunidades sem precedentes devido à característica da rede de telecomunicações de oferecer banda larga, bidirecional que pode satisfazer as nossas experiências tanto online quanto sob demanda”, explicou a pesquisadora.

Além de ocupar cargo de Diretora de P&D na Fidelity Mobile, Kassia é coautora de todos os projetos da bicampeã do Prêmio Finep de Inovação (2010 e 2013).

 Dentre eles a plataforma inovadora do BemDito nas Nuvens e suas tecnologias acessórias (BemDitoApp e BemDitoWebChat), cujo o nome contém uma perspectiva filosófica entre o “Bem e o Mal”, sendo também uma homenagem ao santo padroeiro São Benedito, de nossa abençoada, acolhedora, amada e, porque não dizer, inovadora, Cuiabá. Nossa abençoada cidade que acaba de completar 300 anos. A plataforma BemDito que é referência e case internacional, desenvolvida pela empresa cuiabana. Ela conta que a inovação surgiu após inúmeras pesquisas e estudos científicos, realizados na empresa e fundamentais para o sucesso da plataforma do BemDito nas nuvens.

“Por trás do aplicativo existe um projeto de pesquisa aplicada, aprovado por mérito pela Fidelity Mobile no programa TECNOVA e INOVACRED, geridos pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Mato Grosso (Fapemat)” e pelo Banco da Amazônia (Basa).

De seguidores para provedores da indústria 4.0. É assim que a diretora de P&D da Fidelity Mobile enfatiza o objetivo, ao desenvolverem as tecnologias escopo do projeto de inovação tecnológica disruptiva.

Inovação veio para ficar, tornando-se fundamental e essencial. Kassia, no entanto, reconhece que isso é um grande desafio e apresenta riscos. Além disso, requer alto investimento de tempo, estudo e financeiro. “O importante é planejar e aplicar a ideia inovadora é gerar resultados. Com bons projetos é possível buscar parceiros financiadores nacionais e internacionais”.

A pesquisadora e diretora de P&D da Fidelity Mobile ainda explica que a capitalização para inovação no Brasil é normalmente obtida por meio de projeto. “Após serem submetidos e analisados podem ser viabilizados por meio de diversos financiadores a exemplo da FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos), BNDES Inovação (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), BIRD (Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento)”, detalhou Kassia Masson

 

Deixe seu comentário

O MT Mais Notícias não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais à terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluidos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido, valorize esse espaço democrático.
Agradecemos a participação!

Seja o primeiro a comentar essa postagem!